Apontamentos após a (primeira) vitória das ruas de SP

Postado em Atualizado em

Paulista lotada no dia 18: pressão popular que deu certo
Paulista lotada no dia 18: pressão popular que deu certo

Sobre o rumo das discussões sobre o transporte coletivo:

1. A grande questão agora é quem vai pagar a redução da tarifa.
Permitir que a prefeitura ou o governo do estado tire investimentos de áreas como saúde e educação ou mesmo eleve os impostos para cobrir o gasto é trocar 6 por meia dúzia. É importante que o custo seja reduzido para o cidadão. Hoje, o preço do transporte público é pago por três setores: o governo (prefeitura no caso dos ônibus e estado no caso do metrô), empresas e os passageiros. Cada um entra com uma parte, sendo que hoje a divisão é assim:
10% – empresas
20% – governo
70% – passageiro
É esse equilíbrio que tem que se alterar. Em cidades da Europa, cerca de 60% da passagem é subsidiada pelo governo, o que permite que se tenha um transporte público de qualidade e com custos relativamente baixos.
Ontem, Haddad e Alckimin disseram que terão que cortar investimentos. Que investimentos serão esses? Será que a prefeitura não tem gastos supérfluos? Fiquem atentos quando ouvirem que o governo vai fazer uma obra esdrúxula, é isso que tem que ser cortado para subsidiar a tarifa.

2. Não adianta transporte barato se não for de qualidade.
Ok, o governo vai abaixar a tarifa. Mas vai também colocar mais ônibus nas ruas? Os problemas do metrô vão diminuir? A frota vai ser renovada? Notícias mostram que, na verdade, enquanto o número de passageiros em SP cresceu 80%, a frota reduziu 30% no mesmo período. Ou seja: além de terem aumentado o preço, o custo caiu pros empresários porque tem menos ônibus nas ruas. Se eu fosse empresário ia querer essa mamata também: lucrar com 80% mais passageiros com 30% menos custo de infraestrutura, olha que beleza. Mais um ponto para colocar na conta das empresas.

No próximo mês será revisto o contrato de licitação com as empresas de ônibus em SP. É quando todas as cartas estarão na mesa. Não podemos deixar isso passar sem pressão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s