Um olhar sobre a crise grega – ou: Sobre números e pessoas

Postado em Atualizado em

Por Barry Yanowitz
Occupy Wall Street

A Grécia está passando um mau bocado. Eu sei que é difícil para nós, que moramos em um país emergente, entender todo fuzuê sobre a crise econômica europeia. Afinal, o salário mínimo grego (que é o menor da Europa), vale cerca de 700 euros, contra uns 250 euros que recebem os trabalhadores brasileiros. Na Itália, quando são demitidos, os trabalhadores têm direito a um bom auxílio por dois anos. Os europeus têm a melhor infraestrutura, os melhores serviços, as melhores habitações. Então do que reclamam? Para mim também foi difícil entender no início. Mas o que está em jogo na Europa não é só um estilo de vida luxuoso.

Há algumas décadas, o Velho Mundo parecia ter atingido o equilíbrio ideal entre políticas sociais e uma sólida economia de mercado. Os países enriqueceram e o povo prosperou. Direitos dos trabalhadores e de minorias foram consolidados. A violência caiu e a expectativa de vida disparou. Mas a crise que abalou a economia americana desde 2008 vem fazendo com que a balança pese para o lado das grandes corporações.

A maioria dos países da zona do euro tem déficit orçamentário, ou seja: gasta mais do que ganha. Qualquer dona de casa sabe que isso significa enfiar a cara nas dívidas. Não deu outra. Quebrados, países como Portugal, Irlanda e Grécia se viram obrigados a pedir empréstimos de emergência. O FMI, o Banco Central Europeu e a União Europeia ajudaram. Mas em troca têm cobrado políticas de austeridade que ajudem a garantir que a dívida dos países será paga sem prejudicar a estabilidade do euro.

by *Bloco
Protesto português

Os governos passaram então a cortar gastos públicos, o que significa cortes de empregos e programas sociais e redução no valor de salários e aposentadorias. Ou seja: várias conquistas que garantem a qualidade de vida dos cidadãos europeus começam a se desfazer. Conversando com um amigo grego, eu perguntei: “mas vocês não têm uma constituição que garanta que esses direitos não possam ser mudados?” Ele disse que estão querendo alterar a lei para permitir que isso seja feito.

Imagine você se, ao invés de aumentar, resolvem reduzir os salários dos professores públicos. Pois é. O caminho é mais ou menos por aí. Se todo mundo estivesse apertando os cintos pelo bem do país, até que daria para aguentar. Mas o que tem deixado as pessoas indignadas é justamente o fato de se estar cobrando da população para se dar aos grandes credores e especuladores (leia-se: bancos e acionistas). E mais: sem nenhum tipo de consulta. É como disse o deputado português do Parlamento Europeu, Miguel Portas, no vídeo abaixo. “Ficou muito claro que foi a dupla de Sarkozy [o presidente francês] e da senhora Merkel [a chanceler alemã], a dupla “Merkozy”, que tomou todas as decisões pelos gregos. E nenhum povo gosta de ser mandado, espezinhado e tratado como se valesse muito menos que os mercados financeiros”.

O resultado? Protestos em massa, é claro. Não só na Grécia, Irlanda e Portugal. Até em Nova York surgiu o movimento “Occupy Wall Street“. Porém, quando o primeiro-ministro grego “teve um momento de sanidade”, como diz Miguel Portas, e convocou um referendo, foi duramente criticado. Diz o deputado: “o que aconteceu na Grécia ao longo desta semana não foi, ao contrário do que muitos comentadores disseram, um atitude absurda e esdrúxula de um primeiro ministro instável e que resolveu propor um referendo num momento de desespero. Jamais um primeiro-ministro proporia ao seu povo um referendo, não fosse o fato de ele se sentir absolutamente entalado entre, por um lado as imposições dos programas de austeridade vindos dos credores e por outro lado um povo que já está muito castigado e indignado”.

by how will i ever
Protesto grego

Ele coloca as coisas de um modo bem claro: “os líderes políticos ouvem todos os dias os mercados financeiros. Acordam todos os dias a saber como estão as bolsas. Mas ai se algum deles quer ouvir o povo!”. Seriam a democracia e o mercado financeiro inconciliáveis?

O pior é que, querendo ou não, a Europa Ocidental é o modelo para o resto do mundo. Nesse momento, esse modelo parece estar tomando uma direção vergonhosa. Vale a pena sacrificar o bem-estar social de alguns países para salvar o euro? Conseguirá o povo – europeu ou não – fazer oposição a essas políticas a ponto de impedí-las?

São cenas dos próximos capítulos.

Vale a pena ver também:

O divórcio entre capitalismo e democracia – Luis Nassif

Infográfico da BBC que explica direitinho

.

Gostou deste post? Leia mais:
Um comentário sobre a crise grega
O manifesto de José Saramago
O fio da história

.

4 comentários em “Um olhar sobre a crise grega – ou: Sobre números e pessoas

    Lagartices disse:
    13.novembro.2011 às 12:00

    por Dalila D’ Alte Rodrigues, Quarta-feira, 9 de Novembro de 2011 às 14:36.

    Absolutamente a ler até ao fim, esta resposta de um grego a uma carta enviada para a revista Stern escrita por um alemão que se sente ofendido com o “estilo de vida” grego. Traduzida por Sérgio Ribeiro, via Aventar.

    “Há algum tempo, foi publicada , na revista, uma “carta aberta” de um cidadão alemão, Walter Wuelleenweber, dirigida a “caros gregos”, com um título e sub-título:

    Depois da Alemanha ter tido de salvar os bancos, agora tem de salvar também a Grécia os gregos, que primeiros fizeram alquimias com o euro, agora, em vez de fazerem economias, fazem greves

    Caros gregos, Desde 1981 pertencemos à mesma família. Nós, os alemães, contribuímos como ninguém mais para um Fundo comum, com mais de 200 mil milhões de euros, enquanto a Grécia recebeu cerca de 100 mil milhões dessa verba, ou seja a maior parcela per capita de qualquer outro povo da U.E. Nunca nenhum povo até agora ajudou tanto outro povo e durante tanto tempo. Vocês são, sinceramente, os amigos mais caros que nós temos. O caso é que não só se enganam a vocês mesmos, como nos enganam a nós. No essencial, vocês nunca mostraram ser merecedores do nosso Euro. Desde a sua incorporação como moeda da Grécia, nunca conseguiram, até agora, cumprir os critérios de estabilidade. Dentro da U.E., são o povo que mais gasta em bens de consumo.

    Vocês descobriram a democracia, por isso devem saber que se governa através da vontade do povo, que é, no fundo, quem tem a responsabilidade. Não digam, por isso, que só os políticos têm a responsabilidade do desastre. Ninguém vos obrigou a durante anos fugir aos impostos, a opor-se a qualquer política coerente para reduzir os gastos públicos e ninguém vos obrigou a eleger os governantes que têm tido e têm. Os gregos são quem nos mostrou o caminho da Democracia, da Filosofia e dos primeiros conhecimentos da Economia Nacional. Mas, agora, mostram-nos um caminho errado. E chegaram onde chegaram, não vão mais adiante!!!

    Na semana seguinte, o Stern publicou uma carta aberta de um grego, dirigida a Wuelleenweber:

    Caro Walter,
    Chamo-me Georgios Psomás. Sou funcionário público e não “empregado público” como, depreciativamente, como insulto, se referem a nós os meus compatriotas e os teus compatriotas. O meu salário é de 1.000 euros. Por mês, hem!… não vás pensar que por dia, como te querem fazer crer no teu País. Repara que ganho um número que nem sequer é inferior em 1.000 euros ao teu, que é de vários milhares. Desde 1981, tens razão, estamos na mesma família. Só que nós vos concedemos, em exclusividade, um montão de privilégios, como serem os principais fornecedores do povo grego de tecnologia, armas, infraestruturas (duas autoestradas e dois aeroportos internacionais), telecomunicações, produtos de consumo, automóveis, etc.. Se me esqueço de alguma coisa, desculpa.

    Chamo-te a atenção para o facto de sermos, dentro da U.E., os maiores importadores de produtos de consumo que são fabricados nas fábricas alemãs. A verdade é que não responsabilizamos apenas os nossos políticos pelo desastre da Grécia. Para ele contribuíram muito algumas grandes empresas alemãs, as que pagaram enormes “comissões” aos nossos políticos para terem contratos, para nos venderem de tudo, e uns quantos submarinos fora de uso, que postos no mar, continuam tombados de costas para o ar. Sei que ainda não dás crédito ao que te escrevo. Tem paciência, espera, lê toda a carta, e se não conseguir convencer-te, autorizo-te a que me expulses da Eurozona, esse lugar de VERDADE, de PROSPERIDADE, da JUSTIÇA e do CORRECTO.

    Estimado Walter, Passou mais de meio século desde que a 2ª Guerra Mundial terminou. QUER DIZER MAIS DE 50 ANOS desde a época em que a Alemanha deveria ter saldado as suas obrigações para com a Grécia. Estas dívidas, QUE SÓ A ALEMANHA até agora resiste a saldar com a Grécia (Bulgária e Roménia cumpriram, ao pagar as indemnizações estipuladas), e que consistem em: 1. Uma dívida de 80 milhões de marcos alemães por indemnizações, que ficou por pagar da 1ª Guerra Mundial; 2. Dívidas por diferenças de clearing, no período entre-guerras, que ascendem hoje a 593.873.000 dólares EUA. 3. Os empréstimos em obrigações que contraíu o III Reich em nome da Grécia, na ocupação alemã, que ascendem a 3,5 mil milhões de dólares durante todo o período de ocupação. 4. As reparações que deve a Alemanha à Grécia, pelas confiscações, perseguições, execuções e destruições de povoados inteiros, estradas, pontes, linhas férreas, portos, produto do III Reich, e que, segundo o determinado pelos tribunais aliados, ascende a 7,1 mil milhões de dólares, dos quais a Grécia não viu sequer uma nota. 5. As imensuráveis reparações da Alemanha pela morte de 1.125.960 gregos (38,960 executados, 12 mil mortos como dano colateral, 70 mil mortos em combate, 105 mil mortos em campos de concentração na Alemanha, 600 mil mortos de fome, etc., et.). 6. A tremenda e imensurável ofensa moral provocada ao povo grego e aos ideais humanísticos da cultura grega.

    Amigo Walter, sei que não te deve agradar nada o que escrevo. Lamento-o. Mas mais me magoa o que a Alemanha quer fazer comigo e com os meus compatriotas. Amigo Walter: na Grécia laboram 130 empresas alemãs, entre as quais se incluem todos os colossos da indústria do teu País, as que têm lucros anuais de 6,5 mil milhões de euros. Muito em breve, se as coisas continuarem assim, não poderei comprar mais produtos alemães porque cada vez tenho menos dinheiro. Eu e os meus compatriotas crescemos sempre com privações, vamos aguentar, não tenhas problema. Podemos viver sem BMW, sem Mercedes, sem Opel, sem Skoda. Deixaremos de comprar produtos do Lidl, do Praktiker, da IKEA. Mas vocês, Walter, como se vão arranjar com os desempregados que esta situação criará, que por ai os vai obrigar a baixar o seu nível de vida, Perder os seus carros de luxo, as suas férias no estrangeiro, as suas excursões sexuais à Tailândia?

    Vocês (alemães, suecos, holandeses, e restantes “compatriotas” da Eurozona) pretendem que saíamos da Europa, da Eurozona e não sei mais de onde. Creio firmemente que devemos fazê-lo, para nos salvarmos de uma União que é um bando de especuladores financeiros, uma equipa em que jogamos se consumirmos os produtos que vocês oferecem: empréstimos, bens industriais, bens de consumo, obras faraónicas, etc. E, finalmente, Walter, devemos “acertar” um outro ponto importante, já que vocês também disso são devedores da Grécia: EXIGIMOS QUE NOS DEVOLVAM A CIVILIZAÇÃO QUE NOS ROUBARAM!!! Queremos de volta à Grécia as imortais obras dos nosos antepassados, que estão guardadas nos museus de Berlim, de Munique, de Paris, de Roma e de Londres. E EXIJO QUE SEJA AGORA!! Já que posso morrer de fome, quero morrer ao lado das obras dos meus antepassados.

    Cordialmente, Georgios Psomás

      Larissa Veloso respondido:
      16.novembro.2011 às 18:23

      Incrível. Muito obrigada e desculpe pela demora em aprovar.

    Lagartices disse:
    13.novembro.2011 às 11:54

    Errata: o salário mínimo de Portugal é 485€, mais baixo do que o da Grécia

      Larissa Veloso respondido:
      16.novembro.2011 às 17:32

      Obrigada pela correção, moço. Ou moça.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s