Divagações no ponto de táxi

Postado em Atualizado em

cc on Flickr by stevecadman
Eu bem que queria entrar num táxi-fusca...

Estava eu lá, na fila de táxi do aeroporto, com uma sacola que cobria bem uns dois terços da minha altura (tá booom, uns dois quintos, vai). Fila gigante, de umas cinquenta pessoas, dessa vez sem exageros.

A coreografia era assim:

Chegava um táxi, o ajudante-de-ponto-de-táxi pegava a mala do primeiro da fila e ia correndo colocar no porta-malas. Uma única pessoa se encaminhava para o interior do veículo e este partia. A fila dava um passinho adiante.

Assim, um sem-número de vezes repetidos, os mesmos movimentos.

E eu lá no finalzinho pensando com meus botões: “ué, o táxi não tem quatro lugares? Se todos os lugares fossem ocupados, a fila andaria 4x mais rápido, teriam 4x menos táxis partindo do aeroporto e os passageiros pagariam 4x menos pela corrida. Não é possível que não existam quatro pessoas que não estejam indo para o mesmo lugar aqui, ou pelo menos para lugares próximos, ou lugares-que-são-caminho uns dos outros”.

Eu, que só tinha R$ 20,00 na carteira e teria que pegar táxi só até o metrô, bem que fiquei com vontade de perguntar pro meu vizinho de fila se ele topava dividir a corrida. Mas fiquei com vergonha. E segui quietinha na fila, imaginando um mundo ideal no qual a divisão de táxis surgiria espontaneamente entre estranhos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s